Vários grupos, coletivos, movimentos e organizações, incluindo a CEPIA, assinam uma Carta para pautar a GRAVE SITUAÇÃO DE MORTALIDADE MATERNA NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, EM ESPECIAL ENTRE MULHERES NEGRAS, acentuada pelo cenário de gravidade sanitária e de saúde durante 2020 impondo quadro ainda mais alarmante durante o corrente ano de 2021. As assinantes também apresentam requerimento urgente ao final deste documento frente a este cenário que não pode aguardar. Participe desta mobilização e assine a Carta!

A situação piorou em 2020, com a pandemia de Covid-19. Só no primeiro semestre de 2021 já alcançamos a quase totalidade das mortes entre gestantes e puérperas registradas no ano passado (83), segundo dados do SIM e SIMAT, organizados pelo Comitê Estadual de Prevenção e Controle da Morte Materna e Perinatal – ERJ. Os números são ainda mais graves em área da Zona Oeste composta por Santa Cruz, Paciência e Sepetiba.
Parir com saúde é direito e não pode representar sofrimento, desrespeito e morte! Através da parceria de mais de 20 grupos, coletivos e organizações, foi enviada carta ao Secretário de Saúde do Município do Rio de Janeiro em 10/09/2021, cobrando a erradicação da morte materna.
Exigimos #GestantesNegrasVivas!
Conheça a carta, assine e participe dessa mobilização!