À medida que o número de pessoas com COVID-19 na África continua a aumentar e os governos impõem medidas estritas de confinamento, incluindo estados de emergência, tornou-se cada vez mais aparente que, semelhante a outras partes do mundo, que as mulheres são as que mais sofrem probabilidade de suportar o maior impacto de o vírus. Isso apesar do fato de que, embora a doença não discrimine, as medidas adotadas pelos Estados para responder são muitas vezes discriminatórias, tanto na forma como são desenvolvidas, formuladas, implementadas e medidas. A maioria dos planos de resposta do governo atualmente implementados tem pouca ou nenhuma perspectiva de gênero. Este informe deve fornecer orientação sobre possíveis ações que possam ser tomadas para reduzir o risco de mulheres e meninas serem deixadas para trás como resultado da nova pandemia de coronavírus (COVID-19), minimizar o impacto de medidas sobre as mulheres, reconhecer o papel crítico das mulheres nos esforços de resposta e prevenção e garantir que a análise de gênero informe as ações e respostas do governo. Este  informe  também descreve as obrigações de direitos humanos dos Estados ao lidar com o impacto do COVID-19 em nível nacional.

Outras notícias